terça-feira, 17 de março de 2009

ENTENDENDO A SÍNDROME DE DOWN

Encontrei esta matéria em um blog super interessante sobre a Síndrome de Down *** http://sindromedownpuc.blogspot.com *** e como já trabalhei com alunos portadores da Síndrome, sei que existem muitas dúvidas/questionamentos dos professores que estão em sala e trabalham a inclusão.
******************************************
O QUE É Um acidente genético que se expressa na concepção. O Down tem um cromossomo extra: chama-se trissomia 21. Isso provoca no organismo um excesso de 329 genes por célula
GRADAÇÕES DA SÍNDROME AO NASCER Não existem. Ou o bebê é Down ou não é. Seu desenvolvimento intelectual e motor vai depender da herança genética dos pais, do estímulo precoce e de sua aceitação na família, em casa, na escola e na sociedade. Nenhum bebê é igual ao outro, seja Down ou não.
CAUSA Não existe uma causa. Mas a idade da mulher aumenta geometricamente as chances de ter um filho Down. Mães de 24 anos têm um filho Down para cada 1.752 nascidos vivos. Com 42 anos, essa relação é 56 vezes maior: 1 Down para 33 nascidos vivos. A média mundial é de 1 Down para cada 600 nascidos vivos Conseqüências Em diferentes momentos da vida, risco mais alto de doença cardíaca, deficiência visual, tônus muscular menor. Um terço dos fetos não chega a nascer. Um terço, ao nascer, não tem problema cardíaco, apenas características físicas como os olhos puxados, a boca um pouco menor. Os restantes nascem com cardiopatia congênita.Fonte: http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca
UM POUQUINHO DA PRÁTICA QUE TIVE...Já trabalhei com alunos portadores da Síndrome de Down por duas vezes. Da primeira vez era um aluno de 2 anos e meio na Educação Infantil e quase não existia diferença de desenvolvimento entre ele e as demais crianças. Já da 2ª vez, eu estava em uma sala de alfabetização onde as crianças tinham por volta de 8 - 9 anos e o desenvolvimento cognitivo de meu aluno com Síndrome de Down era referente a mais ou menos uma criança de 4 anos dita normal.Nesta 2ª vez foi mais difícil para conseguir manter a atenção dele e conseguir avanços na aprendizagem. Muitas vezes me senti meio que perdida e até mesmo criticada por "colegas" e familiares.Porém nenhuma crítica ou elogio era capaz de me fazer desistir ou desanimar com o desenvolvimento de meu aluno. Aos trancos e barrancos, ele saiu da fase de rabiscação e avançou conseguindo nomear seus desenhos e figurar imagens um pouco mais elaboradas.Sobre a escrita - no início do ano ele não usava letras para representar seu nome, mas sim alguns pequenos símbolos como círculos e riscos sequenciados. Durante o trabalho daquele ano ele aperfeiçoou a escrita das letras de seu nome, mesmo que ainda não os escrevesse de maneira convencional.Nas contagens era interessante - pois em músicas e jogos (pic esconde / dado / trilha) ele sempre se empolgava e realizava a contagem às vezes de maneira convencional ou vezes não. Mas, se eu fosse fazer atividades com ele no caderno, ele se negava muito e se chateava "pra valer", mas mesmo assim eu insistia. Pois ele era muito esperto e sempre tentava me convencer do que queria dizendo: "Tia você é muito Linda" - "Me dá um beijo" e outras palavras muito carinhosas...O que me impulsionou neste trabalho foi o fato de acreditar que meu aluno podia aprender aquilo que eu ensinava de acordo com as habilidades e competências dele e que ele não precisava saber igual ao outro, mas sim, precisava conhecer pelo menos um pouco daquilo tudo que eu ensinava para sala. Sempre respeitei todos meus alunos, sendo brava e sendo acolhedora quando havia necessidade.Agradeço muito a Deus por todos os alunos que já tive e ainda mais por ter tido essas crianças em minha vida. Elas foram aprendizagens verdadeiras... daquelas que não esquecemos jamais.
PROFESSORES - ACREDITEM EM SEUS ALUNOS E CRIEM COM ELES UMA CUMPLICIDADE CAPAZ DE VENCER TODOS OS OBSTÁCULOS QUE SURGIREM DURANTE O ANO!!! EM SALA SOMOS UM SÓ E A CAMINHADA SE FAZ DE ACORDO COM O RITMO DE TODOS OS MEMBROS DE CADA TURMA.
NORMAL É SERMOS TODOS DIFERENTES!!!

**************************************

6 comentários:

***Rafaela Dias*** disse...

Olá!! Eu gostaria de saber como vc elaborou as atividades dele! abraços

Juhfordgasparini disse...

ola sou uma professora que acabei de sair da faculdade e trabalho em uma escola cuja na minha sala tem uma aluna com síndrome gostaria de saber se você pode me ajudar com alguns materiais que eu possa utilizar com ela ... desde já agradeço.. meu Email
é juhford.ag@gmail.com, se possível mandar algumas atividades

Rhaíssa de Souza Cordella disse...

CONHEÇA O BLOG DA RHAISSA.
http://rhaissacordella.blogspot.com

Rosângela disse...

Querida, esse seu depoimento tem tudo a ver comigo. Tenho uma aluna com Síndrome de Down na minha sala, e às vezes também sou criticada por "colegas". Mas, assim como voc^, também não vou desistir da minha aluna. Pelo contrário, ela é um desafio para mim!!!!!!!!!!

Daniela Stangherlin disse...

Oi, meu nome é Daniela, também sou professora gostaria de saber se você me add no msn para conversarmos mais sobre sindrome de Down?
meu msn: daniela.stangherlin@hotmail.com

E se poderia me dar algumas ideias de atividades para trabalhar com um aluno do 3º ano que tem síndrome de down?
meu e-mail: daniela.stangherlin@hotmail.com

Anônimo disse...

Oi, gostaria muito de instruções porq é a primeira vez q tenho na sala uma aluna de seis anos , e ela é muito imperativa , como ensino 2 ano eu ando na sala , uns ensino a melhorar a caligrafia , ou seja , eles exigem muito de mim , pois a maioria deles tem dificuldades tanto na leitura e na escrita ..e nesse tempo ela aproveita e sai da sala...

praticamente faço atividade com essa aluna no final da aula e mesmo assim ela nunca termina , não quer fazer , por favor preciso de ajuda .

meu email : vanessafranca24@hotmail.com